terça-feira, 26 de maio de 2009

Câmara pode votar regras para adolescentes infratores

 

A Câmara pode votar nesta semana a criação da Sistema Nacional
de Atendimento Socioeducativo (Sinase). Os deputados vão analisar no
Plenário, em sessão extraordinária na terça ou quarta-feira,
substitutivo da deputada Rita Camata (PMDB-ES) ao Projeto de Lei
1627/07, do Executivo.
O Projeto de Lei 1627/07 regulamenta as medidas a serem aplicadas no
caso de atos de infração cometidos por menores de 13 a 17 anos,
estabelece direitos e garantias aos adolescentes e define as atribuições
dos entes federativos.


Medidas


O substitutivo instaura um método-padrão para conduta de todos os atores
envolvidos no processo de socioeducação do adolescente, além de
instituir uma articulação em rede para todo o atendimento
socioeducativo, com o protagonismo da família, da sociedade e do Estado.
"Responsabilizar o adolescente de forma adequada contribui para o seu
desenvolvimento", afirma Rita Camata.
Entre os pontos principais do substitutivo destacam-se:
    1) Acréscimo de capítulo para tratar especificamente dos planos de
atendimento - inclusive com a participação da família. As diretrizes
serão utilizadas para o planejamento e gestão, articulação das políticas
e estabelecimento de metas;
    2) Instituição de avaliação e acompanhamento da gestão, das
entidades, dos programas de atendimento e dos resultados, bem como a
responsabilização dos gestores. O foco é a eficiência da aplicação dos
recursos públicos, na profissionalização e padrão de qualidade do
atendimento realizado e, no caso dos resultados, com foco na articulação
das políticas e instituições para o total êxito da aplicação das
medidas. O substitutivo remete também à Lei da Improbidade
Administrativa, de forma a responsabilizar aquele que sendo, ou não,
agente público, induza ou concorra, sob qualquer forma direta ou
indireta, para o não cumprimento das normas do Sinase e da execução das
medidas socioeducativas.
    3) Ampliação das fontes de finaciamento ao propor alterações nas
leis de criação do Fundo Nacional Anti Drogas (Funad); do Fundo de
Amparo ao Trabalhador (FAT); do Fundo Nacional de Desenvolvimento da
Educação (FNDE), bem como acrescentando financiamento por recursos do
orçamento fiscal e não apenas da seguridade social, como estava previsto
no PL original; propõe-se ainda garantir maior transparência às doações
aos Fundos de Defesa da Criança e do Adolescente (FDCA), bem como a
projetos financiados com esses recursos, inclusive os relativos ao
Sinase;
    4) Inclusão de capítulo sobre regimes disciplinares, com normas
também para socioeducando em cumprimento de medidas de meio aberto (só
havia previsão para os casos de medida de privação de liberdade).
Incluída ainda possibilidade de benefício por esforços empreendidos pelo
adolescente;
    5) Inclusão de capítulo específico sobre Atenção Integral à Saúde,
com ênfase ao atendimento a adolescentes em cumprimento de medida
socioeducativa comprovadamente com transtorno mental, deficiência mental
ou dependência de substâncias psicoativas e também a suas famílias. Hoje
quase 80% dos adolescentes que cumprem medida socioeducativa possuem
algum grau de envolvimento com substâncias psicoativas.
    6) Inclusão de capítulo para capacitação ao trabalho, alterando as
legislações dos serviços de aprendizagem da indústria, comercial, rural
e do transporte (Senai, Senac, Senar e Senat) para prever oferta de
vagas por meio de instrumentos de cooperação celebrados entre os
operadores locais do Sistema S e os gestores do atendimento
socioeducativo.
    7) Promoveram-se ainda alterações na CLT para incluir os
socioeducandos na legislação do adolescente aprendiz.

Um comentário:

Agentes de Segurança Socioeducativo de Minas Gerais disse...

Nós Agentes de Segurança socioeducativo de Minas Gerais estamos enviando o endereço de nosso blog que é uma de nossas ferramentas de luta para valorização dos servidores e de todo o sistema socioeducativo de Minas e do País.
www.agentesocioeducativo.blogspot.com
Mandamos um forte abraço.